O Páter-famílias no Direito Romano

By: Anavitarte, E. J.*

O direito privado romano organizava-se em torno da figura do páter-famílias (paterfamilias), que devia ser uma pessoa Homo Optimus Iure, ou seja, devia ser livre, cidadão e não estar sob a autoridade de ninguém.

O páter-famílias era o dono absoluto de tudo o que existia no seu agregado familiar, podendo dispor dele e também dirigir a vida religiosa privada, como sacerdote supremo.

Esta figura patriarcal com poderes tão amplos é uma evolução normal das primeiras formas de organização tribal romana, onde um chefe-pai dirigia todos os assuntos de sua família tribo e é precisamente aí que está a razão para o sistema de parentesco muito particular por agnação, típica dos romanos.

It is a long established fact that a reader will be distracted by the readable content of a page when looking at its layout. The point of using Lorem Ipsum is that it has a more-or-less normal distribution of letters, as opposed to using 'Content here, content here', making it look like readable English.

You must log in to access this content
Iniciar con Google
Iniciar con Facebook
x